16 jul

NO IPOD DA ORANGOTANGO TEM…DAVID BOWIE APAIXONADO

bowie

Meu “muso” está de volta.

Já não é novidade, Bowie lançou no começo do ano mais um álbum, o lindo e denso“The Next Day”.

Impecável, Bowie não muda, só melhora.  Reaparece com canções que geram polêmicas, criticando o cristianismo, falando sobre guerras, ou com letras contendo mensagens subliminares.

Mas a balada “Valentine´s Day”, ganhou meu coração. Simples e direta.

Ontem a canção virou clipe. Nele, David aparece apenas com sua guitarra, em um galpão industrial, vestindo uma camisa branca e uma calça jeans, cantando e tocando, do início ao fim.

Precisa mais?

Veja você também:

21 set

no ipod da orangotango tem… "esse chato" bob dylan

Bob Dylan anda ganhando um espaço no meu coração.

Nunca fui muito fã do cara e sempre achei aquelas canções “poesias” demais para mim.

Mas ultimamente estou revendo tudo isso.

E esta semana ele tocou direto no meu ipod.

Separei aqui o  clássico de Subterranean Homesick Blues e logo abaixo um projeto atual inspirado nos cartões de Dylan.

Aproveite!

29 set

MARINHEIRO SÓ, QUEM TE ENSIONOU A TATUAR?

O que te vem à cabeça quando pensa em tatuagens clássicas?
Imagens como uma âncora, coração,  pin-ups ou  andorinhas?
Então você pensou em Sailor Jerry.
Pai do estilo “old school”, ele é considerado por muitos o principal artista da tatuagem de todos os tempos.
O americano Jerry nasceu em 1911 em Reno, Nevada. Aprendeu o ofício com um homem do Alasca chamado “Big Mike”. E fez muita tatuagem  na galera casca-grossa da região.
Mais tarde, alistou-se na Marinha e navegou muito, estabelecendo-se no Havaí.
Vela e tatuagens foram apenas dois de seus empreendimentos profissionais. Ele tocou saxofone em uma banda e teve um  programa de rádio.
Como tatuador, criou um estilo inconfundível, caracterizado por linhas em negrito inabalável e com um uso refinado de cores e detalhes incríveis.
Seu estilo, reverenciado até hoje,  é um combinado da América e tradições asiáticas, com muita cor e imagens icônicas.
Sou fã  de tattoos e especialmente do estilo do Jerry. 
Inspirada por suas tatuagens, vela, mar e marinheiros, criei a coleção de verão da Orangotango que já está na loja.
Dá uma olhada aqui!
Um viva para o marinheiro Jerry!
14 abr

CONHECE A LUVA TATUADA?

Ela é Ellen Greene. Uma americana que nasceu e cresceu em Lawrence, Kansas, uma cidade cheia de contradições.
Lá, você pode encontrar garotos fraternais, evangélicos cristãos, vagabundos ex-hippies, punks na sarjeta, artistas e estrelas de rock.
Crescendo em meio a esses contrastes, Greene desenvolveu uma curiosa série de trabalhos: pinta tatuagens, bem ao estilo old school, em luvas de couro vintage.
Sua intenção foi combinar um objeto extremamente feminino, com algo que tivesse relação com o universo do sexo oposto. E, naquela época em que as garotas costumavam usar luvas, tatuagens eram marcas mais relacionadas aos homens, e homens de fama não muito boa.
Mas as luvas brancas de Greene misturam todas essas referências e evocam uma sensação de pureza e de formalidade, com muita sexualidade e rebeldia.  

Eu adoraria…

31 mar

O DIA EM QUE EU FUI DO FLAMING LIPS

Encaixotar e desencaixotar as coisas da mudança me deixam de saco cheio. Mas tem uma coisa no meio de tudo isso que eu adoro: descobrir coisas que estavam perdidas num canto da casa ou numa gaveta abandonada.

E no meio de tantas caixas, finalmente encontrei um cd que tanto procurei. Acho que ele estava numa destas gavetas abandonadas.

Em 2005, o Flaming Lips tocou em São Paulo. Amo a banda. Meses antes, eu tinha assistido a um DVD do show que eles fariam neste dia. Eu sabia o que ia rolar no palco. Mas não imaginava o que ia acontecer comigo.

Chegamos cedo ao show. Já dentro do evento, encontramos os camarins. Passamos pelos seguranças, sabe-se lá como, e batemos na porta do camarim da banda. Queríamos levar uma foto antiga para eles autografarem.

Deu certo. Eles autografaram e foram muito simpáticos.

Depois de um rápido bate-papo,o vocalista Wayne Coyne olhou para nós e disse: “vocês vão fazer parte do show de hoje, topam?”

Quarenta minutos depois, estávamos em cima do palco, junto com a banda, na frente de 15 mil pessoas. Meu marido virou um sol inflável e eu virei um castor.

Isso, eu nunca vou esquecer.

11 mar

JÁ OUVIU A NOVA PJ HARVEY?

Ela gosta de mudar. A cada álbum, troca de estilos musicais, de guarda-roupa e de corte de cabelo.

Para a menina nascida na pequena Dorset, na Inglaterra, que cresceu e trabalhou na zona rural, é hora de falar de seu país natal.

Assim é “Let England Shake”, o novo álbum  de Polly Jean Harvey.

Nele, PJ explora timbres e registros vocais diversos, como se as canções fossem cantadas/contadas por pessoas diferentes. As barulhentas guitarras são substituídas pelo autoharp, um instrumento criado em 1926 que é na verdade uma cítara, com as cordas presas por amortecedores reguláveis a uma placa. Algumas canções, como “England” e “The Colour of the Earth” beiram o folk. Gosto disso.

Mas a Inglaterra sobre a qual ela quer falar não é aquela a vitoriosa e bucólica de outros tempos, ou a cosmopolita dos grandes centros. O alvo é uma Inglaterra devastada pelas guerras, de soldados arruinados.

Com arranjos delicados, fala de um sentimento de culpa e tristeza que qualquer cidadão pode sentir ao ver atrocidades cometidas em nome da pátria.

Toque final: todos os vídeos de “Let England Shake” serão dirigidos pelo fotógrafo de guerra Seamus Murphy.

Feliz de quem já viu este show ao vivo.

03 fev

NO IPOD DA ORANGOTANGO TEM…YOKO ONO

Sei que muita gente torce o nariz para ela. Mas eu adoro Yoko Ono.
Talvez porque eu seja fã da fase solo de Lennon, onde ele e ela estão tão próximos. Talvez porque eu admire o fascínio que ela provocava em Lennon. Ou simplesmente porque adoro o álbum “Double Fantasy”, que gravaram juntos.
Ela cantando, é demais. Ouço hoje e fica difícil acreditar que a música foi  feita há 30 anos. Soa tão atual!
A new wave “Walking on Thin Ice” é especial. Yoko e Lennon concluíram a gravação da música em 8 dezembro de 1980. Horas depois, voltando ao Dakota, Lennon foi assassinado.
John tinha ficado acordado a noite toda no fim de semana anterior, ouvindo uma prévia da música, e morreu segurando uma fita em suas mãos.
P.S: Gosto tanto dela que Nina por pouco não se chamou Yoko.

07 jan

NO IPOD DA ORANGOTANGO TEM… GRINDERMAN

Essa gangue de homens maduros. Foi como definiram essa maravilhosa banda.

Liderada pelo muso Nick Cave, auxiliado pelos seus companheiros de Bad Seeds, a banda faz um verdadeiro estrondo sonoro, explorando a agressividade do rock de garagem. Aí a experiência de Cave fala mais alto. Maduro, agora já com 50 anos, conduz tudo com um enorme senso de rock and roll e bom humor.

Simples e selvagem. Pra que mais?

03 dez

NO IPOD DA ORANGOTANGO TEM… WARPAINT

  

Elas são um estiloso quarteto de rock experimental.

E o som das Warpaint, formado por  Emily Kokal (vocal/guitarra), Theresa Wayman (vocal/guitarra), Jenny Lee Lindberg (baixo/vocal) e Stella Mozgawa (bateria) mais parece um caldereirão de misturinhas pós-punk.

Pegue um pouco de  Joy Division, uma pitada de  Cure, uma porçãozinha de  Echo and the Bunnymen. Ah, dizem por aí também  que Warpaint é um Foals de saias.

Gosto disso, e você?

Bom final de semana. Terça-feira a loja está no ar. Te espero.

Menu Title