Macaquinhos no sótão em: “Era uma vez (e pode ser agora também)”

Macaquinhos no Sótão é a coluna de literatura infantil do blog, escrita pela talentosa e amiga Vanessa Balula.

Ela estará por aqui, dividindo suas belas histórias com a gente.

Sorte a nossa!

Vai lá, Balula. A floresta é sua!

cabe+ºalho-macaquinhos-no-s+¦t+úo_by-balula_junho-2012

Faz um tempo – que já não cabe na lembrança – que esse papo de contar histórias para nossas crianças começou.

Antigamente, muito antigamente, a vida era mesmo assim, GrAnDe(!), pelo o que se ouvia contar.

Depois,  com tanta novidade, o contar foi sendo terceirizado para o rádio, o cinema e passou a ser a vez das avós – aquelas que antes, bem antes, sentavam em cadeiras de balanço e embalavam o fim do dia. Depois veio a TV, a escola, as babás (?!) e… coisa boa! Novamente estamos redescobrindo que a infância precisa de histórias. E por todo canto e lado hoje se incentiva o narrar. “Leia uma história para uma criança” é a campanha bárbara do banco com um simpático visual cor de laranja ou,  ainda,  a campanha da cadeia de hamburguers que teve 10 milhões de lanches ainda mais felizes com a farta distribuição de livrinhos infantis -substituto incrível do brinquedinho de plástico de outrora.

A floresta inteira já sabe e grita: contar histórias para os seus pequenos,  sejam eles não tão pequenos ou mesmo emprestados,  é o que de mais bacana se pode fazer.

Contar é compartilhar. É se deixar estar e ficar ali por aquele tempo, junto.  E  esse encontro é quase mágico: na Terra do Nunca, no laboratório de um cientista maluco, em um planeta pequenininho onde vive um príncipe tão pequeno quanto, em um sítio distante com uma boneca falante…

A dica de hoje é pra contar pra todo mundo: ‘Quando eu nasci’, das portuguesas pra lá de talentosas Isabel Minhós Martins e Madalena Matoso – uma história que merece todas as leituras!

capa nasci

Fala sobre tudo o que é novo ao menos uma vez. Sobre aquele momento quando temos “tudo por estrear”.

O narrador é uma criança que nos conta como era lá dentro da barriga de sua mãe. E como foi sendo enquanto crescia. Nasceu e depois?

“(…) Quando eu nasci nem sonhava que havia céu e que o céu mudava de cor

(…) Quando eu nasci  tudo era novo”

ilustras 1

Todo o livro é de uma graça recheada de delicadeza. O tom é o de uma conversa gostosa de criança. Tudo bem prontinho para se transformar em um dos títulos de cabeceira.

ilustras

Drops da selva:

Por aqui, o livro saiu pela Tordesilhinhas. Por lá, em Portugal, pela Planeta Tangerina,  que fez um trabalho incrível e disponibilizou no site propostas de leitura, papos e trabalhos do livro para pais e educadores. E merecidamente também conquistou uma Menção Especial no Prêmio Nacional de Ilustração.

mais de isabel

mais de madalena

Mais do livro aqui http://www.planetatangerina.com/pt/livros/quando-eu-nasci

Mais do Planeta Tangerina, aqui http://www.planetatangerina.com/

por

assinatura 2014

balulacommacaquinhosnosotao@gmail.com